terça-feira, 30 de março de 2010

Mistérios - A combustão espontânea

A combustão espontânea, a morte de incêndio.
O mundo do mistério é tão vasta, variada e, surpreendentemente, não para o resfriado geralmente documento comprovativo dos factos.


5 de dezembro de 1966. Coudersport, Pensilvânia. Dr. Irving Bentley foi respeitado pelos seus vizinhos. Um homem de poucas palavras, rictus conversa séria e agradável o privilégio de ter muitos bons amigos.


"Sr. Bentley, você está aí?". O silêncio, foi quebrado pela cobrança dos sinos da igreja próxima, mas como um aviso para não continuar investigando. Na sala da névoa cresceu mais espessa do que em outros lugares. Caminhou lentamente e cautelosamente entrou no banheiro. O chão estava aberto. Os tubos foram descobertos depois de ser atacado por um incêndio agressivo. Como é estranho, o foco não é suposto existir. Quem causou o incêndio? A resposta veio rapidamente. Em um canto, quase imperceptíveis aos olhos do recém-chegado, tinha um monte de cinzas, e com estes, perna enferma de um médico. Inexplicavelmente sucumbiu a um incêndio que é fabricado apenas com seu corpo, deixando como uma testemunha fiel à catástrofe do membro antigo chamuscado uma visão horrível .





Divino castigo, maldição, doença ou simplesmente desconhecida, combustão humana espontânea só é certo para ocorrer quando você quiser, pegando todos de surpresa em uma forma ou de outra são testemunhas do evento. A situação é a seguinte: uma pessoa como você ou eu, de repente começa a sentir que algo está errado. Ao mesmo tempo combustão ocorre no corpo, semelhante a uma chamada de origem desconhecida que, aparentemente, nascida dentro da vítima, sendo executado em segundo com o infeliz.

Trata-se de fenômeno seletivo, ou apenas "ataque" as pessoas que possuem certas características que os tornam propenso a isso? Em meados do século XIX, porque a medicina ortodoxa não aceita tais superstições, um tanto atormentada por uma Igreja que, desde a aurora dos tempos tem sido questionada e todos, mas demonizada estas ocorrências, recorreu a uma explicação simples tão estúpido: Certamente, se analisarmos a merda órgãos assediado pelo fogo, é provável que descobrir estudo forense a conclusão radical que o de cujus, ou eram alcoólatras ou fumantes pesados. Para falar quando for dada a dois elementos ... A evidência de corpos carbonizados foram uma constante, e assim, em 1965, o Dr. John Gee, em seguida, uma médica estagiária no Departamento de Medicina Legal da Universidade de Leeds, governou depois de fazer sua própria investigação, a ignição de algumas amostras de tecido adiposo ocorreu quando ele colocou um projecto, que em última análise, fomentou a propagação do fogo.

Isto porém não explicam a extrema velocidade com que queimaram os corpos, às vezes, observando a posição onde eles estavam, mostrou que ele ainda não tinha tido conhecimento da sua própria morte. Além disso, a energia de calor liberada pelas vítimas no momento preciso o fogo nunca teria sido atingido em circunstâncias normais. Ou seja, quando um ser humano, especialmente se ele ainda permanece com seus sinais vitais em plena capacidade, sofreu queimaduras em sua anatomia, tão graves como são é quase impossível que afetam os órgãos internos.

Em conclusão, queimar um corpo humano vivo é, obviamente, muito complicado, muito menos se estamos a falar de que a combustão ocorre em poucos segundos. Serve como uma ilustração da tese mantida pelo Dr. Wilton Krogman, uma antropóloga forense da universidade americana da Pensilvânia e um grande estudioso do Che, que diz que seu trabalho sobre a questão controversa que levou a analisar os corpos consumidos pelas chamas em crematórios, determinando que para que isso aconteça é necessária uma fonte de calor acima de mil graus centígrados! e, no entanto, os ossos não sofrem os efeitos devastadores do fogo.









A única conclusão que podemos tirar disso é que em nosso próprio corpo raramente nos confronta, terminando com a "sua" própria existência. Nenhuma prova, nenhum vestígio de combustível ou causa aparente ... Absolutamente nada. E mais uma vez temos que pagar para a prova de que o corpo humano é o maior dilema que enfrentamos todos os dias! Medo....

2 comentários:

Anônimo disse...

Vai ver que essas pessoas tomaram gás e depois fumaram um cigarro,kkkkkkkk

30 de março de 2010 17:11
José disse...

Gostei, como sempre!

31 de março de 2010 18:50

Postar um comentário